terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Nacional - Benfica: mais e menos



Mais um jogo de taça da liga, mais uma vitória… Na competição-talismã o Benfica conseguiu uma importante vitória fora e somar os três pontos, num jogo que não se afigurava fácil, especialmente por força das muitas ausências no Benfica.

Temos, então, de estar contentes com este último jogo de 2013!! Será assim?




Não necessariamente. Sou daqueles que prefere ganhar a jogar mal do que o inverso, mas o Benfica tem apresentado vezes de mais, nos últimos tempos, exibições insuficientes, o que me deixa a pensar se perdas de pontos e derrotas não estarão para vir nos próximos jogos….

O Benfica até entrou bem em campo e Gaitán, a jogar mais pelo meio, mostrava a dinâmica e intensidade do 11 encarnado. Markovic estava, também, muito activo e Enzo dava uma ajuda.

Mas, a intensidade da equipa foi baixando, exactamente à medida que Markovic desaparecia do jogo e Sulejmani coleccionava más intervenções. Valeu Gaitán, com aquele cruzamento tenso que deu o 0-1.

Depois veio a segunda parte e um marasmo total…Não me consigo recordar de um bom lance no segundo tempo o que é elucidativo da má exibição nesse período. Uma equipa que tem no onze talentos como Lima, Gaitán, Markovic, Sulejmani e Enzo Perez não pode produzir tão pouco…

Vai ser difícil dar os mais e menos, mas vamos a isso.


Gaitán – parecia um peixe na água a jogar a 10. Muito dinâmico e a fazer jogar a equipa. Fabricou, sozinho, o 0-1, no entanto, depois desse momento, decaiu com a restante equipa.
Oblak – Só teve que fazer uma intervenção apertada, mas o que é facto é que esteve bem quando foi chamado a intervir…mais um jogo sem sofrer golos;
Enzo – o argentino é um jogador intenso que não sabe jogar a brincar; não foi das exibições melhores, mas esteve bem.



Sulejmani – o sérvio reclamava por oportunidades pelas últimas exibições, mas ontem não aproveitou; lento e complicativo, não conseguiu dar sequência a muitos lances ofensivos;
Lima – é este o Lima da época passada? – é a pergunta que todos fazemos…parece que foi substituído por um clone que não joga tão bem à bola; parece estar sempre a jogar em ansiedade; continua esforçado e com muita movimentação, mas depois não consegue dar a melhor sequência aos lances; venha Cardozo para Lima sentir o aperto da concorrência.
Fejsa – não foi terrível, mas um par de más intervenções colocam-no no vermelho; não é, de longe, um Matic, porque não tem expressão ofensiva…e a equipa ressente-se desse jogo tão curtinho de Fejsa, que se limita a passar a bola para o lado e ficar na posição.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Nacional - Benfica: prognóstico do onze



Noite de Taça da Liga e com muitas interrogações no onze do Benfica.

Apesar de esta não ser uma competição prioritária, o Benfica, pelo historial que tem, não pode desprezar qualquer competição e deverá entrar para vencer, como, de resto, o faz em qualquer jogo.

É certo que vão ser algumas as ausências na equipa, a começar pelos lesionados Cardozo, Artur e Salvio, que estão fora dos planos, ao que acresce a não convocação de Luisão e Matic. São, pois, ausências de vulto em todos os sectores, o que recomendaria prudência em encaixar mais “novidades” no onze, sob pena de descaracterização total da equipa do Benfica, num jogo em que irá enfrentar uma sempre difícil equipa do Nacional. No entanto, o plantel do Benfica é vasto e o treinador deverá querer aproveitar o ensejo para ensaiar algumas hipóteses e dar minutos a jogadores menos rodados e que quererão, com certeza, aproveitar para mostrarem serviço. Djuricic e Sulejmani enquadram-se perfeitamente no perfil que acabei de descrever, pelo que acredito na titularidade destes jogadores, bem como na hipótese de Siqueira fazer alguns minutos para ganhar ritmo depois da lesão.

Uma coisa é certa: com tantas ausências e “mexidas” certamente o Benfica demorará a encontrar o seu ritmo no jogo e não terá vida fácil perante os orientados de Manuel Machado.

Assim sendo, prevejo que o onze de mais logo possa ser algo deste género:




Carrega Benfica!

sábado, 21 de dezembro de 2013

Setúbal - Benfica: notas pós-jogo

Infelizmente, não pude acompanhar o jogo de ontem com a atenção devida, motivo pelo qual não me encontro em condições de fazer os habituais comentários e atribuir os mais e menos da equipa.

Ainda assim, saltou à vista que não foi um jogo muito conseguido pelo Benfica, especialmente na primeira parte, onde o treinador insistiu na colocação de Enzo à direita, deixando o meio campo entregue a Fejsa-Matic.
Na segunda parte, colocou Sulejmani e fez Enzo jogar no miolo, com resultado na subida de produção da equipa.
O Benfica acabou por marcar por Rodrigo, numa altura em que ainda não era muito acutilante ofensivamente e "matou" o jogo num penalti de Lima. Depois, foi um arrastar até ao apito final.

Isto dito, e como notas:

Oblak pode não ter tido muito trabalho, mas o que é facto é que já conseguiu a sua primeira clean sheet.
Enzo parece ser, cada vez mais, um jogador para actuar no meio; a ala já não é o seu habitat natural;
O Benfica teve o mérito de não ter permitido grandes oportunidades ao Setúbal, mas não pode fazer exibições ao nível da que fez, sob pena de, noutras ocasiões, não ter a sorte do jogo a seu favor, como teve ontem, o que ditará perda de pontos.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Setúbal - Benfica: prognóstico do onze

Infelizmente o tempo não é muito, por isso aqui vai a previsão do onze para o jogo de logo.



Oblak vai ser o guardião, o que aguardo com alguma expectativa. Enzo vai regressar ao onze e deve fazê-lo ao meio, embora JJ também o possa colocar à direita, se optar por jogar com 2 avançados. Na primeira das hipóeses, Sulejmani deve ser o escolhido para ocupar uma das alas, atenta a boa forma que tem demonstrado.

Carrega Benfica, é importante vencer para pressionar o sporting!

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Cortez - I love the sound of you walking away

Deparei-me hoje com a seguinte notícia:



Segundo o empresário do brasileiro, Cortez falhou no Benfica por culpa do treinador, que não terá sabido aproveitar o seu enorme talento:


«A opção do treinador provocou falta de adaptação. Ele é um jogador muito ofensivo, joga de uma forma diferente daquela que os laterais fazem habitualmente.»

Isto é o que comummente se designa por "sacudir a água do capote", atirando-se a culpa para um elemento externo à sua vontade e controlo, ficando-se, assim, mais em paz com a sua prórpia consciência: «eu bem quis, mais não me deixaram...raça do homem não pôs a equipa a jogar com 3 centrais para eu não ter que defender....».

Ainda que perceba (e até compreenda) o exercício mental levado a cabo pelo empresário de Cortez, na perspectiva de não traumatizar o seu pupilo, a verdade é que a razão aventada para o manifesto insucesso de Cortez no Benfica não poderá jamais merecer acolhimento, desde logo porque, como é evidente, o Benfica não joga de forma diferente da esmagadora maioria das equipas europeias (no que toca ao papel dos laterais), pelo que não seria minimamente expectável que o Cortez viesse para a europa e fizesse mudar o esquema táctico da equipa que o acolhesse. Seria mais lógico (e real) precisamente o inverso: Cortez adaptar-se à forma de jogar do lateral europeu, que, nem é assim tão diferente do praticado no Brasil também (a grande diferença está mesmo na intensidade do jogo e no rigor nas marcações)...

Depois, e para que o argumento do empresário fosse minimamente válido, seria preciso que Cortez fosse, de facto, uma mais-valia em termos ofensivos. Mas não é! Pelo contrário... nos jogos que fez pelo Benfica, não me recordo mais que dois/três bons lances ofensivos, o que é manifestamente pouco para um lateral de raiz que se diz "vocacionado para o jogo ofensivo". Até Sílvio, que é uma adaptação, e que defensivamente é mais rigoroso, esteve em mais lances de perigo ofensivos nestes dois últimos jogos que Cortez nos jogos todos que fez, que não foram assim tão poucos.

Fica, assim, claro, que Cortez é bastante limitado defensivamente e que não mostrou ser uma mais-valia ofensivamente pelo que, para ser "mais um", não faz falta ao Benfica, até porque há jogadores na equipa B que também podem fazer o lugar e que certamente não recebem o mesmo que Cortez.

Assim, e feita a confissão pelo empresário que Cortez está de partida, resta-me desejar-lhe boa viagem e dedicar-lhe uns versos da música Walk Away dos Franz Ferdinand, que, pelos vistos, estão de regresso ao nosso País já no verão, em Paredes de Coura:



"
I love the sound of you walking away

(...)
Why don't you walk away?
No buildings will fall down
Why don't you walk away?
No quake will split the ground
Why don't you walk away?
The sun won't swallow the sky
Why don't you walk away?
Statues will not cry

(...)"


segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Olhanense - Benfica: mais e menos

Mais um jogo com uma vitória sofrida.

Não poderei deixar de elogiar a alma da equipa, que foi determinante para operar a reviravolta no marcador. Por outro lado, não poderei igualmente de deixar de fazer notar nas debilidades defensivas da equipa, que concedeu mais dois golos a uma equipa que, se não me engano, apenas tinha marcado um golo nos últimos 5 jogos. 

A equipa foi praticamente aquela que adiantei no post do prognóstico do jogo, com uma alteração: começou de início I. Cavaleiro por troca por Sulejmani, mas bem que o mister poderia ter iniciado o jogo como foi sugerido no post, uma vez que Sulejmani foi determinante para a vitória do Benfica.

O jogo, em si, não tem grande história: um Benfica que começou com um erro defensivo de Sílvio, que lhe custou o golo inaugural e que conseguiu empatar a contenda pouco depois, por Lima. Mais uns minutos volvidos e Artur resolveu abrir a capoeira. Felizmente, Matic estava em campo para remediar as coisas e conseguiu o empate num golo de belo efeito. Com o intervalo veio Sulejmani, numa tentativa de dar-se largura ao jogo do Benfica, que resultou em pleno, com um golo do Sérvio a abrir o segundo tempo. Daí em diante, de destacar a lesão de Artur que abriu portas ao miúdo Oblak e um jogo que teve uma toada morna até ao fim. Ola John ainda entrou mas pouco mexeu com o jogo e Djuricic nem vê-lo…

Isto dito, vamos aos mais e menos:


Matic – continua a senda de boas exibições, desta vez com um golaço; desceu um pouco de produção no segundo tempo, mas é claramente o jogador mais do Benfica neste momento; para mim, sem dúvida que é o melhor médio-centro do campeonato.
Sulejmani – a imprensa dava notícia da sua titularidade, que não se confirmou, mas o Sérvio só precisou de poucos minutos em campo para mostrar a JJ que merece mais oportunidades; é desta que ganhou uma oportunidade no onze titular? Quer-me parecer que sim; no jogo, foi dinâmico e mexido, agitando a esquerda do ataque; nos últimos 20 minutos foi contaminado pela apatia geral causada pelo esfriamento da equipa no momento pós lesão de Artur.
Gaitán – sem deslumbrar, o argentino continua a mostrar a sua importância, desta feita com mais uma assistência para golo de Lima;

Artur – se no primeiro golo não se poderá dizer que tem culpas, o segundo golo é o que na gíria se denomina por “frango”; já começam a ser alguns os erros apontados ao brasileiro esta época e que, a juntar a mais alguns das épocas transactas, podem fazer perigar o seu lugar na baliza, até porque está lesionado e tem pela frente a concorrência de Oblak, que dizem ter grande potencial.
Rodrigo – este foi mais um jogo não do hispano-brasileiro, com muita trapalhada e pouco esclarecimento; uma exibição que vai contra a sua subida de forma.
O. John – o holandês parece querer mesmo mudar de ares; teve quase meia hora em campo e ninguém deu por ele; a desaproveitar as oportunidades, não vai chegar longe; neste momento, e com Salvio e Markovic lesionados, é apenas a 4ª opção para a posição de extremo, pois I. Cavaleiro já lhe ganhou posição; é pena, pois é um jogador muito interessante, com uma verticalidade que, talvez, mais nenhum dos extremos do Benfica disponíveis tem, sendo que é um jogador que joga bem com os dois pés e tem boa capacidade de cruzar bolas, qualidades essas que seriam muito úteis em alguns jogos.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Olhanense - Benfica: prognóstico do onze



O regresso do Benfica ao campeonato nacional, após o desaire caseiro com o Arouca, está marcado para o Algarve, onde vai defrontar o Olhanense. A equipa de Olhão é antepenúltima na classificação, mas, como sabemos, isso nada quer dizer, até porque o Benfica tem sido surpreendido por equipas que vêm do fundo da tabela. Acresce que a deslocação ao reduto do Olhanense é um terreno tipicamente difícil para os encarnados, com 3 empates nos últimos 4 jogos para o campeonato.

Ademais, existem várias baixas (algumas de vulto) no Benfica que diminuem o leque de opções para o jogo: Salvio, Cardozo, Enzo, Siqueira, Markovic, R. Amorim. Destes 6, 4 são jogadores para serem sempre titulares na equipa. No entanto, tal não poderá servir de desculpa, atenta a qualidade e multiplicidade de opções ao dispor de JJ para esta época. 

Na baliza e defesa, acredito que o técnico opte por manter os jogadores que enfrentaram o PSG, para dar alguma estabilidade ao sector. Sívio fez uma boa exibição na esquerda, pelo que se deverá manter perante a concorrência de A. Almeida.

No meio campo, deverá regressar a dupla Matic-Fejsa, até porque R. Amorim, ao que ouvi, ainda não estará disponível. E agora é que começam as dúvidas… Gaitán deverá ter lugar assegurado no onze, faltará, no entanto, saber em que posição. O mais provável é começar na esquerda, mas poderá jogar no meio, como número 10, abrindo uma das alas para Sulejmani e a outra para Rodrigo, com Lima a completar o ataque. No entanto, parece-me que Gaitán deverá mesmo alinhar na esquerda, aparecendo Sulejmani mais à direita, com Rodrigo a jogar no apoio ao ponta-de-lança Lima. Sulejmani deverá ser mesmo opção, isto por ter estado razoavelmente bem quando entrou nas últimas partidas e por  nunca ter tido uma oportunidade para jogar no onze titular, apresar de apresentar um rótulo de craque dos tempos em que jogou na Holanda. Certamente, o miúdo Cavaleiro terá que esperar mais uns tempos, por não ter estatuto…

Djuricic também poderia ser opção, mas não tem estado nas escolhas do técnico, motivo pelo qual me parece que não irá alinhar de início hoje. De qualquer forma, poderia ser uma boa opção, a jogar à frente de Matic e Fejsa, fazendo o papel de ligação entre sectores.

Qualquer que seja o onze que alinhe, espero que TODOS os benfiquistas estejam com a equipa e aqueles que têm a felicidade de poder assistir o jogo ao vivo, que puxem e apoiem a equipa, em vez de a assobiarem e causarem tensão, o que só resulta em prejuízo do nosso clube.

Carrega Benfica, traz os 3 pontos e não deixes fugir as lagartixas…

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Benfica - PSG: mais e menos - vitória inglória



Vitória inglória a de ontem…Já se sabia que a tarefa era duplamente difícil, mas, pelo menos, saímos com a consciência que fizemos a nossa parte.

Quanto ao jogo propriamente dito, parece-me que o Benfica acabou por conseguir uma vitória justíssima frente às “reservas” do PSG. Não concordo com aqueles que dizem que os parisienses jogaram a passo, pois parece-me que o PSG foi dominador em muitos períodos da 1ª parte e tentou sempre criar perigo através das suas unidades mais ofensivas, com Cavani à cabeça, mas a falta de ritmo de muitas unidades terá ditado a quebra da equipa, especialmente na segunda parte, onde o Benfica foi mais assertivo e dominador. De resto, aquelas "reservas" do PSG, que custaram, só os lá na frente na ordem dos 45 milhões cada, trocavam a bola de forma magistral e só um Benfica pressionante e capaz poderia levar de vencida esta equipa...


Isto dito, vamos aos mais e menos:

Sílvio: grande exibição do lateral, mais uma na Champions; é estranha a forma como Sílvio, sem ritmo, consegue jogar jogos de elevada importância e parecer que nunca parou; ontem raramente perdeu um lance para Lucas e fez estragos ofensivamente, especialmente no lance do penalti;
Maxi: também esteve bem no jogo de ontem, talvez tenha sido dos melhores jogos do uruguaio esta época; sempre forte a atacar, criou, com Enzo, o segundo golo do Benfica; não permitiu grandes veleidades defensivas;
Matic: um gigante ontem! Sempre a fazer pressão e a recuperar bolas no meio campo, foi um dos grandes transportadores de jogo ofensivo do Benfica; é, por esta altura, um jogador preponderante para o Benfica; para coroar de glória uma bela exibição, só lhe faltou o golo no cabeceamento que fez na primeira parte;
Fejsa: ontem fez um jogo muito melhor que com o Arouca, pois não esteve tão curto no campo e preso à posição de trinco; Fejsa fez pressão mais à frente, recuperou bolas no último terço do terreno e apareceu várias vezes nessa zona para receber e entregar bola: assim vale a pena ter Fejsa no onze e provou que a sua presença no onze não ofusca Matic!
Enzo: um jogador que deixa sempre tudo em campo e ontem não fugiu à regra; esteve sempre em alta rotação até ao momento em que saiu do jogo;



Como menos não consigo apontar qualquer jogador, por isso vou escolher a apatia colectiva no lance do golo do PSG, em que a segunda bola, depois da bola parada, foi muito mal atacada pelos jogadores do Benfica quando a bola estava no limite da grande área (penso que terá sido Markovic que não atacou o portador da bola); depois do cruzamento, Artur andou aos papéis e Garay foi antecipado por Cavani, portanto, e em suma, foi esta a grande falha do Benfica no jogo de ontem, para além do notório desperdício de oportunidades de golo.